Mostrando postagens com marcador O MISTICISMO NO SÉCULO 21. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador O MISTICISMO NO SÉCULO 21. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

O MISTICISMO DO SÉCULO 21

Desde que o mundo é mundo, as pessoas são fascinadas e atraídas pelo sobrenatural. Tudo que diga respeito ao mundo espiritual atrai e admira o ser humano. Não é somente a religião. As crendices, superstições e práticas de adivinhação são alguns dos exemplos mais comuns do grande fenômeno espiritualista que podemos ver hoje em dia. A feitiçaria, a magia, o misticismo, são encontrados em todas as culturas e em todas as épocas, sempre com uma coisa em comum: o uso de fórmulas e rituais mágicos para curar doenças, prever coisas futuras, garantir o sucesso, etc. Muita gente não entende a verdadeira natureza nem o grave perigo envolvido nas artes ocultas.

Nas últimas décadas, a Europa e a América se tornaram grandes consumidores de religiões e costumes orientais, às vezes disfarçados de filosofias e medicinas. No Brasil não é diferente: como a cultura de nosso país é uma mistura de crenças portuguesas, índigenas e africanas, cada um com suas superstições e crendices, somos um povo muito crédulo e voltado para o sobrenatural, para o oculto, para o místico.

A Bíblia nos mostra como as nações antigas realizavam práticas e rituais para adivinhar o futuro, como por exemplo do lançar flechas com presságios escritos nelas, ou examinar o fígado dos animais oferecidos em sacrifícios, ou dormir em cemitérios para receber sonhos dos falecidos. As pessoas sempre tentaram prever o futuro, através das estrelas e planetas (astrologia), invocando os mortos (necromancia), usando varas mágicas (rabdomancia), e muitos outros rituais.

A quantidade de videntes e adivinhos de todos os tipos que encontramos hoje é gigantesca. Se o governo cobrasse uma taxa deles, poderia talvez dar um bom aumento aos aposentados. Segundo a Revista VEJA-SP, JUN 2010, alguns truques usados pelos videntes e adivinhos de hoje são: Examine a roupa, veiculo e o que mais puder sobre a pessoa, para descobrir pistas sobre sua personalidade. Tente compreender os anseios do cliente. Isso permite, com o perdão do trocadilho, dar as cartas no jogo e conduzir a conversa. Se desconfia que o marido tem uma amante, por exemplo, confirme. Fale apenas afirmações genéricas e vagas: toda família tem alguém doente, endividado, viciado ou desempregado. Um novo amor, claro, sempre pode aparecer. Deixe que as perguntas pareçam afirmações. Aproveite dicas oferecidas nas respostas anteriores para formular novas previsões. Faça previsões que possam ser entendidos de várias maneiras. Transforme erros em acertos: se perguntar se algum parente da pessoa morreu recentemente e a resposta for “não”, complete: “então vai morrer em breve”. Aposte no acaso: acidentes, separações, demissões e mortes acontecem a toda hora.

A palavra de Deus é totalmente contra essas práticas, que nada mais são do que misticismo. Várias vezes Deus falou contra isso: “Porque assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Não vos enganem os vossos profetas que estão no meio de vós, nem os vossos adivinhos, nem deis ouvidos aos vossos sonhos que sonhais” (Jr 29.8). A Bíblia Sagrada já tem toda a revelação para o mundo, portanto não há necessidade de feiticeiros, adivinhadores e agoureiros. Na Bíblia, Deus nos diz tudo o que precisamos saber sobre o que está por acontecer.

Porque Deus proíbe toda a relação com o ocultismo? Porque Ele é Senhor, Soberano. Todas as coisas e o futuro estão em suas mãos; Porque Ele sabe o mal que o misticismo e a magia fazem ao ser humano, entorpecendo a pessoa, destruindo a livre-escolha; Porque Deus quer que nossas conquistas sejam por meio da oração a Deus e por meios honestos. Já o plano de Deus para obtermos a verdade é ouvir seus os fiéis mensageiros falarem a sua Palavra.

As práticas divinatórias são um disfarce para a idolatria e o satanismo e, portanto, são abomináveis aos olhos de Deus. Os adivinhos, agoureiros e encantadores eram proibidos entre o povo judeu. Sempre que essas práticas são mencionadas, elas também são condenadas por Deus. A Bíblia proíbe todo o tipo de bruxaria, incluindo feitiçaria, astrologia e magia.
Por que Deus ficaria tão indignado com esse tipo de prática? Porque quer que confiemos nele como nosso guia, nossa força e nosso direcionamento. Apenas Ele é nossa força e nossa vida – não as forças da escuridão.

Deus é verdade e somente a Sua Palavra é a verdade. Dessa forma, heresia continuará heresia, pecado continuará pecado, verdade continuará verdade e mentira continuará mentira.
Escreveu o apóstolo São Paulo que “Satanás se transfigura em anjo de luz” (2 Co 11.14), ou seja, para melhor fazer o mal, ele finge praticar o bem.

Infelizmente, a superstição e a busca do misticismo existem também no meio evangélico, e parece que aumenta a cada dia. Muitos cristãos não saem de casa sem tirar um versículo da caixinha de promessas, mas não lêem a Bíblia; muitos cristãos não saem antes do fim do culto por medo de perder a benção apostólica e serem amaldiçoados, mesmo quando a reunião se arrasta por horas a fio sem necessidade; muitos cristãos não usam as cores preta e vermelha juntas porque acham que são as cores do Diabo, e por aí vai. Muitas reuniões evangélicas só são realizadas se forem usados determinados objetos ou roupas, como se a presença e Deus e a adoração ao Senhor fossem determinadas por essas coisas, como se Deus fosse uma das divindades pagãs antigas. Mas o próprio Jesus disse que Deus é Espírito, e seus adoradores devem adorá-lo em espírito e em verdade.

Hoje em dia, as pessoas buscam líderes religiosos e gurus para que, através dessas pessoas, possam chegar a uma nova revelação da divindade. Mas mesmo os líderes mais carismáticos nem sempre são guiados por Deus. Vivemos numa verdadeira epidemia de falsos profetas, lobos vestidos de ovelha, que dizem ser usados por Deus, mas só querem se aproveitar do povo. Nem toda pessoa que professa a Cristo é um cristão verdadeiro, nem todos os líderes religiosos são aquilo que dizem ser. Às vezes, Deus testa a sinceridade do nosso amor e dedicação a Ele e à sua Palavra, permitindo que apareçam tais pessoas, afirmando que são profetas de Deus, e que realizam sinais e prodígios. Tais pessoas, às vezes, falam com muita ‘unção’, e operam milagres, mas ao mesmo tempo, pregam um evangelho contrário à revelação bíblica, acrescentando ou tirando mandamentos da Palavra de Deus.

São tantos os que se dizem religiosos, porém seus atos demonstram o contrário. São estes os lobos devoradores que podemos assistir a qualquer momento na TV e no rádio, falando em nome de Deus, mas colocando preço (e um alto preço) na salvação e nas bençãos de Cristo.
A Bíblia nos aconselha fortemente a testar aquelas pessoas que dizem falar em nome de Deus, observando seus frutos, isto é, seu estilo de vida, seu caráter e seus ensinamentos. Precisamos estar alertas e aprender a distinguir o falso do verdadeiro. Vivemos num tempo em que há muitos “sinais e maravilhas”, então devemos pedir a Deus sabedoria para enxergar a verdade e descobrir o erro.