Mostrando postagens com marcador EVANGELHO DO MERECIMENTO versus EVANGELHO DA NECESSIDADE. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador EVANGELHO DO MERECIMENTO versus EVANGELHO DA NECESSIDADE. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 24 de março de 2010

EVANGELHO DO MERECIMENTO versus EVANGELHO DA NECESSIDADE


Em Lucas 7. 1-10, encontramos um episódio muito interessante na vida de Jesus: a cura do empregado de um centurião romano (comandante de uma centúria, ou seja, 100 soldados).
Nos chama a atenção, em primeiro lugar, as palavras dos anciãos dos judeus que moravam naquela região, ou seja, pessoas importantes, líderes daquela comunidade judaica. Foram eles que levaram a Jesus o pedido do oficial romano, e até mesmo procuraram “dar uma forcinha”, dizendo que o oficial merecia ser atendido (“é digno que lhe concedas isto”), pois amava a nação judaica (algo espantoso para um romano) e tinha construído com seus próprios recursos uma sinagoga, ou seja, uma espécie de igreja para os judeus daquela cidade.
Nos dias de hoje, uma autoridade não-evangélica que simpatizasse com os crentes e construísse uma igreja para eles seria também muito considerada...
As palavras dos judeus nos chamam a atenção porque expressam bem uma idéia comum naquela época: quando somos merecedores, Deus nos abençoa. Essa idéia, além de fazer parte da cultura judaica, também está muito presente no meio cristão: se formos dizimistas fiéis, ofertantes mão-aberta, obedientes aos mandamentos, então Deus nos abençoará.
Esse é o evangelho do merecimento, que aparece novamente na história do fariseu e do publicano. O fariseu não orava, mas apresentava a Deus seu currículo: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo. Mas ele não saiu justificado para sua casa.
Agora, a lição do oficial romano é diferente: ele diz a Cristo que não é digno (ou seja, não merece) que Jesus vá até sua casa curar seu empregado, mas bastava dizer uma palavra, e seu empregado ficaria bom. E acrescentou “Porque também eu sou homem sujeito à autoridade, e tenho soldados sob o meu poder, e digo a este: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu servo: Faze isto, e ele o faz”, com isso, queria deixar claro que, se ele, um simples homem, tinha autoridade para ordenar e ser atendido pelos seus soldados, muito mais o Senhor Jesus.
Este é o evangelho da necessidade, em que se reconhece que não somos merecedores de nada, pois até a própria salvação nos foi dada de graça, pela misericória de Deus. Neste evangelho, as bençãos vem à nossa vida não porque mereçamos, mas porque precisamos. Neste evangelho, reconhecemos que Deus está em cima e nós embaixo, que Deus é Senhor e nós somos servos.
Voltando à história do fariseu e do publicano, a atitude deste era radicalmente oposta à do primeiro: nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: O Deus, tem misericórdia de mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele.
Qual está sendo nossa atitude hoje em dia ? Fariseus ou publicanos ? Oficial romano ou anciãos dos judeus ? Merecedores ou necessitados ?
O resultado ?
“Porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado” (Lucas 18.14).