Mostrando postagens com marcador ELEIÇÕES. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ELEIÇÕES. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

eleições 2010



Estamos às vésperas do 2º turno das eleições para governador e presidente. Em nosso Estado do Amapá, segundo a Justiça Eleitoral, quase 65 mil pessoas deixaram de votar, ou votaram em branco, ou votaram nulo, mas todos podemos e devemos participar da construção de um Amapá melhor e um Brasil melhor, e nesse momento o instrumento para mudança é o nosso voto. Todos os candidatos prometem mudança, mas devemos pensar que qualquer coisa pode mudar para melhor ou para pior, dependendo da nossa escolha. Por isso, devemos escolher bem, olhando além das aparências, além dos votos comprados, além das promessas vazias. Aliás, é muito fácil o candidato dizer que vai fazer isto ou aquilo, mas nem sempre dizer como se vai colocar em prática, e isso é muito importante.



As escolhas do povo são soberanas, mas nem sempre são certas. Basta lembrar que em 1930 o povo alemão, um povo culto, estudado, com uma cultura riquíssima, um povo com muitos escritores e estudiosos, elegeu para o governo uma pessoa que nunca tinha disputado uma eleição, que nunca tinha governado nada, que não passava de um soldado raso e um artista fracassado. Mas ele falava o que o povo gostava de ouvir, ele se apresentava ao povo como “gente da gente”, ele prometeu que a Alemanha seria o maior país do mundo, mas ele perseguiu a imprensa, ele pisou os princípios éticos e morais da Humanidade, levando os alemães a odiar todos os estrangeiros, principalmente os judeus. Esse homem levou o mundo à 2ª guerra mundial, matou milhões de pessoas, ele se chamava Adolf Hitler; nesta semana, um museu na Alemanha preparou uma exposição de fotos e cartazes dele, e as pessoas que ali comparecem ficam assombradas e se perguntando: como Hitler conseguiu iludir o povo alemão ? E como o povo alemão conseguiu se enganar tanto ? Portanto, não vamos repetir o erro dos alemães. Vamos escolher bem, para não se arrepender depois.

Existem candidatos que procuram ganhar votos dizendo que pegaram em armas contra a ditadura militar nos ambos 60. Mas a verdade é bem diferente: numa entrevista recente, o deputado federal Fernando Gabeira (RJ), que pertenceu ao grupo armado MR-8, disse: “o que nós queríamos era implantar uma ditadura do proletariado”. Isso mesmo, os grupos armados dos anos 60 não lutavam para tirar os militares e fazer uma constituição cidadã, implantar a democracia e a liberdade de voto, de crença e de imprensa, na verdade esses grupos terroristas queriam transformar o Brasil numa outra Cuba, numa Rússia, com uma ditadura comunista, e para isso usavam a violência, assaltando, matando e praticando toda sorte de barbaridades. A ditadura militar não foi nenhum paraíso, mas os guerrilheiros dos anos 60 não eram nenhum bando de defensores da democracia e da liberdade. Portanto, passado de guerrilheiro não é glória para ninguém.

Repetimos ao povo evangélico: embora os votos do Amapá sejam pouco no total do Brasil, nossas orações são poderosas, pois a Bíblia nos assegura que “a oração feita por um justo muito pode em seus efeitos”. No 1º turno, o povo evangélico se mobilizou em oração, e os institutos de pesquisas foram envergonhados, foram chamados pela imprensa de “profetas fracassados”, porque os verdadeiros profetas de Deus batalharam em oração. Portanto vamos votar bem, escolhendo candidatos que sejam contra o aborto, contra a legalização das drogas, contra a violência, contra a mentira, e contra outras coisas que a Bíblia condene. E além de votar, vamos orar: a Escola Bíblica Dominical no Templo Central será antecipada para sábado à tarde, 4 horas, e nessa mesma reunião estaremos levantando um clamor e uma intercessão por esta eleição. Convidamos a todo o povo evangélico a fazer o mesmo, em suas igrejas, congregações e comunidades. E todos estão convidados a estarem conosco nesta Escola Bíblica de Sábado, com o tema “ORANDO COMO JESUS ENSINOU”. Povo de Deus, ore e vote. Que Deus nos abençoe.