Mostrando postagens com marcador (IN)GRATIDÃO GOSPEL. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador (IN)GRATIDÃO GOSPEL. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 26 de abril de 2010

(IN)GRATIDÃO GOSPEL

Muitas das novas igrejas, denominações e comunidades que conhecemos hoje em dia tiveram seus líderes nascidos e criados em igrejas evangélicas tradicionais e pentecostais, como a Batista, a Quadrangular, a Metodista, a Assembléia de Deus, entre outras. Então, por quê algumas dessas pessoas atualmente adotaram uma postura de rejeição de suas raízes evangélicas, esquecendo-se que foi na Igreja Batista que tiveram um encontro com Cristo, que foi na Quadrangular que foram libertos dos vícios, que foi na Assembléia de Deus onde receberam o revestimento do Espírito Santo ? Tais pessoas acabam indiretamente negando a fé em Cristo, passando a crer mais na placa da igreja onde congregam, tendo mais fé no templo de Deus do que no Deus do templo.

Alguns dos novos crentes de hoje demonstram até mesmo uma certa ingratidão com suas raízes evangélicas. Não se lembram que foi a primeira geração de evangélicos que desbravou florestas para falar de Jesus aos caboclos e ribeirinhos, enfrentando fome e frio, sofrendo e morrendo de malária e outras doenças tropicais, remando horas e horas para ganhar uma alma para Cristo, dirigindo cultos à luz de velas e lampiões em lugares onde nem a Coca-Cola nem os Correios haviam chegado, muitas vezes se alimentando apenas das frutas que caíam das árvores. Tudo isso com um único objetivo: cumprir o IDE de Jesus.

E foi essa primeira geração, que alguns acham “careta, quadrada, igrejeira, sem visão de Reino”, foi essa geração que deixou alguns “presentes” para os que estão chegando agora: templos bem construídos, rol de dizimistas bem consolidado, obras e trabalhos sociais estabelecidos, livros e canções inspirados que falam ao coração e trazem a presença de Deus, e (por que não dizer ?) uma sociedade mais aberta ao Evangelho.
Aliás, visão do Reino pode ser até maior que uma igreja, comunidade, ministério ou denominação, mas não é maior que a Igreja.

Essa primeira geração de evangélicos fez tudo isso sem precisar se envolver na política e nas politicagens, sem usar ritmos mundanos para “sacudir o esqueleto das ovelhas” e “entreter os bodes”, sem precisar de uniformes brilhantes e danças bem coreografadas, sem que fosse necessário “exorcizar” o dinheiro para fora dos bolsos dos fiéis.

Por que estamos sendo ingratos a eles ? Por que estamos desprezando sua herança ? Por que, com a desculpa de “quebrar paradigmas” e “quebrar regras”, estamos removendo os marcos antigos que nossos pais deixaram, liberando o proibido e proibindo o que deveria continuar liberado ? O que está acontecendo com a atual geração de evangélicos ? Por que estão querendo reinventar a roda e descobrir de novo o fogo ? Será que tudo que existia antes, estava errado e não prestava ? Deus podia até não fazer as pessoas caírem no poder, não dar dentes de ouro para os crentes, podia até não derramar a “unção de ousadia e de conquista”, mas em compensação salvava, curava e batizava com fogo do céu, e além disso transformava bandidos, prostitutas, marginais, viciados e párias de todo tipo em pessoas de bem, mães e pais de família, honestos patrões e empregados.

Pretendendo ter uma “visão além do alcance”, muitos estão ficando cegos espiritualmente. Pretendendo viver por fé, muitos estão andando por vista. Pretendendo ser “impactados”, muitos cristãos acabam ficando afastados de Deus.

Tenhamos cuidado, há muitos séculos atrás um querubim ungido, um anjo de uma alta classe espiritual, também quis “romper seus limites naturais” e “subir a níveis mais altos”, mais exatamente, ele queria subir ao trono de Deus. Seu nome era Lúcifer. O resto da história nós conhecemos.

Que Deus nos ajude e tenha misericórdia de nós.