quinta-feira, 13 de maio de 2010

Ó ISRAEL, QUEM É COMO TU ?

Amanhã, 14 de maio, judeus do mundo inteiro comemoram 62 anos de fundação do Estado de Israel. Há 62 anos, a assembléia geral das Nações Unidas, presidida pelo brasileiro Osvaldo Aranha após uma votação muito trabalhaosa, aprovou por maioria a criação de um país para o povo judeu, que até então estava sem pátria, espalhado pelo mundo inteiro, e quase extinto na Europa, após a 2ª Guerra Mundial, quando cerca de 6 milhões deles morreram nas mãos dos nazistas de Adolf Hitler.

A história nos mostra que o povo de Israel esteve fora de sua terra por quase 1900 anos. Então, eles nunca deveriam ter esperanças de reconquistar sua terra, pois nenhum povo que já esteve fora de sua terra por vários séculos conseguiu recuperar. Mas contra todas as chances, Israel renasceu em um dia, em 14 de maio de 1948. Desde então, lutou em diversas guerras para assegurar sua sobrevivência, contra probabilidades incríveis. O renascimento de Israel em 1948 foi verdadeiramente um milagre histórico sem precedentes de Deus. A contagem regressiva do fim dos tempos começou quando Israel foi restabelecido em sua terra. Portanto, quando Israel voltou a ser uma nação, o mundo entrou no tempo do fim !

Dessa forma, 14 de maio de 1948 foi o dia mais importante do século 20, quando se cumpriu a promessa divina: “Aquele que espalhou Israel o congregará”. O renascimento de Israel como nação foi um grande sinal profético, que aponta inclusive para a volta de Cristo, pois o próprio Jesus disse: “Olhem para a figueira, quando os seus ramos estão verdes e dá seus frutos, vocês sabem que está perto o verão”. A figueira é Israel, que por muitos séculos esteve seca e sem vida, mas naquele dia tornou-se novamente verdejante, apontando para o verão, tempo do sol, tempo do calor, tempo do Sol da Justiça que é Cristo.

Hoje em dia, Israel está muito sozinho pelo mundo afora. Mas se as pessoas realmente compreendessem que Deus protege de forma muito especial a nação de Israel, não perseguiriam nem matariam os judeus.

A Bíblia Sagrada registra uma solene promessa de Deus sobre o povo de Israel: Abençoarei os que abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem. As pessoas e os países que abençoaram Israel foram recompensados por Deus, mas aqueles que prejudicaram ou amaldiçoaram Israel, o juízo de Deus caiu sobre eles.

O Irã começa a se mostrar uma nova Alemanha, e seu presidente começa a tomar o jeito de um novo Hitler. Ele almeja destruir o povo judeu através de armas nucleares, e já declarou isso em público por várias vezes. Deus fala aos cristãos de hoje como falou à rainha Ester no passado: “se te calares nesse tempo, virá socorro e livramento de outra parte para os judeus, mas tu e tua família perecereis”.

Hoje em dia, muitas pessoas no meio evangélico, ou por ignorância ou por má-fé, tentam colocar o povo judeu como inimigo, como um povo excluído. Muitos interpretam Rm 9-11 de maneira errada, dizendo que a Igreja Cristã se tornou um Israel espitural e substituiu o povo judeu como povo escolhido de Deus, como um “Israel espiritual”. E ainda, que o Antigo Testamento foi substituído pelo Novo Testamento. É a teologia da substituição. Mas essa idéia cai por terra quando lemos Rm. 9.4,5 onde o apóstolo São Paulo escreve: “que são israelitas, dos quais é a adoção de filhos, e a glória, e as alianças, e a lei, e o culto, e as promessas, dos quais são os pais, e do qual é Cristo segundo a carne”. Essas condições não valem para a igreja, pois não temos pais (patriarcas) como o povo judeu (Abraão, Isaque e Jacó); não temos a lei (os 10 mandamentos, a lei de Moisés), e não temos Cristo segundo a carne, afinal Jesus não foi brasileiro, e sim judeu.


Está na hora dos verdadeiros cristãos estenderem a mão para nossos irmãos judeus, como nos ordena a Bíblia Sagrada: “Porque se os gentios foram participantes dos seus bens espirituais (dos judeus), devem também ministrar-lhes (aos judeus) os bens materiais”. Através do povo judeu, recebemos a Palavra de Deus, recebemos os patriarcas Abraão, Isaque e Jacó, recebemos os profetas, recebemos a crença em um único Deus.

A Bíblia diz claramente que um dia, todo Israel será salvo, Israel olhará para o Messias e o aceitará, e Israel será perdoado de todos os seus pecados.

Embora Israel tenha pecado grandemente repetidas vezes, Deus não o rejeitou como seu povo escolhido. Digo, pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum; porque também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim. Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu”. (Rm 11.1)

Hoje, o pequeno Israel já derrotou seus inimigos árabes em seis guerras e os supera política e economicamente. Se compararmos a população dos países árabes no Oriente Médio com a judaica, vemos que para cada judeu existem 52 árabes ! Mas Israel continua a derrotar todas as forças armadas árabes combinadas, tem inclusive armas nucleares, e será usado para trazer juízos divinos contra esses países.

Portanto, a aliança de Deus com o povo judeu é eterna e incondicional, ou seja, depende apenas da fidelidade de Deus, e não da fidelidade de Israel. Deus não quebra suas promessas. Deus não revoga seus pactos. Deus não descumpre suas alianças, nunca, porque Deus é fiel.

Onde estão os povos que perseguiram o povo judeu: Faraó e seu exército, os assírios, os babilônicos, os gregos e os romanos, os otomanos e os nazistas ? Todos se foram.

Mas onde está o povo judeu ? Está são e salvo, próspero e crescendo. O povo judeu sofreu perseguições e massacres, sofreu terrivelmente debaixo da mão de Faraó e de Hitler, mas está firme e forte no seu lugar. Muito tempo depois que os grupos terroristas como o Hamás e o Hezbola tiverem sido enterrados no cemitério da história humana, depois que o último tiro for disparado no Oriente Médio, a bandeira branca e azul de Israel estará tremulando por cima dos muros da cidade de Jerusalém.

O guarda de Israel não dormita nem dorme. Israel vive, porque Deus vive.

terça-feira, 11 de maio de 2010

QUANTAS MOEDAS ?

Judas negociou seu Mestre por trinta moedas (valor de um escravo). Apenas trinta! Podemos pensar: “Que traição! Isso é revoltante! Jesus era tão Bom, tão Justo, tão Amoroso... como pôde Judas agir daquela forma?”. Se o colocássemos em um tribunal, tendo a qualquer um de nós como juiz, a condenação seria certa por grande traição - e a sentença, a morte. Sem dúvida alguma!

Mas é bom lembrar que somos muito bons para apontar e condenar os erros dos outros, mas muito ruins para encontrar os nossos. É como Jesus disse: vemos o cisco que está no olho do outro, mas não percebemos a trave que está diante dos nossos olhos!

Quantas vezes trocamos Jesus por alguma outra coisa... Quantas vezes nos dizemos discípulos de Jesus mas não nos alimentamos da Sua Palavra, corremos atrás de contos de fadas e delírios espirituais.... E aí, quantas moedas recebemos por isso ? Moedas da euforia ilusória, da atrofia espiritual e da vida cristã débil...

E Ele fez isso para que a nossa vida tivesse sentido, e a vida eterna fosse uma realidade - não para que vivêssemos pensando que o futuro é vagar em outras esferas espirituais. Trinta moedas! O nosso maior problema é não percebemos as moedas. Por isso, não temos noção de por quanto O temos trocado, vendido...

Trocamos nosso Jesus pelas moedas das prioridades profissionais - "afinal, temos que sobreviver";  trocamos Jesus pela moeda da juventude - “Ah, ainda sou muito jovem para pensar nessas coisas... certamente quando estiver mais velho”.

Trocamos nosso Jesus pela moeda do orgulho próprio, simplesmente deixando de trabalhar na nossa Igreja porque nos magoamos com alguém, como se a Igreja pertencesse a homens - líderes ou membros; trocamos o servir ao Senhor Jesus pela moeda do lazer - "afinal, trabalhamos tanto a semana toda, é justo descansar!”.

Muitos de nós conseguimos enviar centenas de piadas através da internet, mas quando recebemos uma mensagem a respeito de Deus, pensamos duas vezes antes de enviar para outras pessoas.

A pornografia passa livremente através das ondas de rádio e TV, mas a discussão pública de DEUS, é suprimida nas escolas e locais de trabalho.

Como podemos estar tão ligados em Jesus no domingo e sermos cristãos invisíveis pelo resto da semana ?

Nos preocupamos com o que as pessoas pensam de nós, mas não nos preocupamos com aquilo que DEUS possa pensar a nosso respeito.

O que nos torna diferentes de Judas? Precisamos ser honestos para reconhecer que temos vendido por uma pechincha aquilo que não tem preço. No passado, foram apenas trinta moedas. Hoje, elas são muitas e é difícil percebê-las.

Portanto, vamos nos arrepender para acertar nossas contas com Jesus, sob o risco de, como Judas, chegarmos ao ponto de dar cabo das nossas vidas... por tão poucas moedas.

sábado, 8 de maio de 2010

Parabéns a todas as mães no seu dia !!!

Deus não pode estar em todos os lugares, e por isso fez as mães. (Provérbio judaico)
O coração das mães é um abismo onde no fundo se acha o perdão. (Honoré de Balzac)
Os homens são o que as mães fazem deles. (Ralf Emerson)
A mãe compreende até o que os filhos não dizem. (Provérbio judaico)
Uma mãe é capaz de ensinar mais do que cem professores. (Provérbio judaico)
Os filhos são para as mães as âncoras da sua vida. (Sófocles)
Uma mãe sempre pensa em dobro - uma vez por ela e outra por seu filho. (Autor desconhecido)
De todos os direitos de uma mulher, o maior é ser mãe. (Autor desconhecido)
O amor de uma mãe não enxerga impossíveis.(Padock)
Entre todas as mulheres, só há uma verdadeira: a nossa mãe. (M. Barre's)
Somos capazes de iludir uma mulher, mas não sabemos enganar uma mãe. (Josh Bilings)
“Mãe” - São só 3 letras, igual à palavra “Céu”, mas nas duas, cabe o infinito. (Mário Quintana)
Só uma coisa no mundo é melhor e mais bela do que a mulher:
A MULHER QUE É MÃE. (E. Schefer)

quarta-feira, 5 de maio de 2010

...e as escolhas de Deus

A Bíblia nos conta (1º Sm) que Saul, o primeiro rei do povo de Israel havia se afastado de Deus e se tornado uma pessoa irritadiça, depressiva e atacada por espíritos malignos. O povo estava numa situação difícil, pois a quem poderiam recorrer para resolver aquele problema ?

Já pensou ser governado por uma pessoa instável, desequilibrada, uma psicótico maníaco-depressivo ? Já pensou ser governado por uma pessoa esquizofrênica ? Era a situação do povo de Israel naqueles dias. Pode ser a sua situação hoje também: amedrontado, sem saber para onde correr, sem esperança, sem solução.

Mas Deus não havia saído de cena. Deus ainda estava na história, e tinha algo a dizer a fazer. Deus ainda está na sua vida. Deus ainda tem algo a falar a você. Deus ainda tem uma obra a realizar em sua vida.

Então, numa linda manhã, Deus ordena ao profeta Samuel que vá até uma vila chamada Belém, na terra de Judá, uma das doze tribos de Israel.

Belém que dizer “casa de pão”. O povo estava faminto por uma solução para o problema, então Deus resolve tirar dali uma satisfação para aquelas pessoas. Você tem fome de justiça ? Você tem sede de Deus ? Você tem fome de salvação ? Você está ansioso por uma solução para o teu problema ? Deus vai satisfazer você.

Deus continua sua ordem a Samuel, dizendo que ele, ao chegar em Belém, deveria procurar um homem chamado Jessé, porque um de seus filhos tinha sido escolhido por Deus para ser rei.

Lá chegando, Jessé recebe Samuel em sua casa, muito alegre com tanta honra, afinal Samuel era ninguém menos que um profeta de Deus e o úlltimo juiz de Israel. E acompanhando Jessé estavam sua família, seus sete filhos. Ao vê-los, Samuel pensou: “com certeza é o mais velho, Eliabe, alto, forte, jeito de valente, cara de rei”; mas Deus falou-lhe ao coração “não é este”. Samuel olha para o segundo filho, Abinadabe, e Deus repete “também este não é o escolhido”. O profeta, talvez já meio confuso, vê o terceiro filho, Samá, e Deus lhe fala “também não escolhi este”. E assim com todos: nenhum dos sete jovens era o escolhido. Deus então fala ao coração de Samuel: “O Homem olha a aparência, mas o Senhor vê o coração”.

Como seria bom se nós pudéssemos ver as coisas como Deus vê. Como seria se pudéssemos ver as pessoas como realmente elas são, por debaixo das aparências, do vestir, do falar, da classe social, do dinheiro e dos bens. Mas não podemos; somente Deus tem essa capacidade. Por isso, precisamos estar em comunhão com Deus e buscar sua orientação para nossa vida, para que ele nos ilumine e nos direcione no caminho certo, nas escolhas certas.

Como está o seu coração diante de Deus ? Você acha que Deus pode te fazer um levita, mas como está o seu coração ? Deus vê além da voz. Você acha que Deus pode te fazer um pregador, mas como está o seu coração ? Deus vê além da teologia, da eloquência, do estudo. Você acha que Deus pode te fazer um obreiro, um pastor, um líder, mas como está o seu coração ? Deus vê além do paletó e da gravata, além da carteira de membro, além dos talões de dízimo.

Samuel pergunta a Jessé “acabaram-se os mancebos ? Não tem mais nenhum filho ?”. Então Jessé lembra: tem mais um, o caçula, mas está longe, no campo, cuidando das ovelhas. “Que pai desnaturado”, alguém pode pensar. A mando de Samuel, alguém vai chamar Davi, que de nada sabe e nada desconfia. E lá chegando, Deus fala a Samuel: “levanta e unge, pois é este mesmo”. Quem assistisse a cena poderia pensar “Samuel endoidou de vez, rejeitar três rapagões e escolher um rapazote fedendo a ovelha para ser rei”.

Que coisa maravilhosa é quando Deus escolhe ! Que bom quando Deus aponta para nós e fala “é este que eu quero” ! As escolhas de Deus não são lógicas nem racionais. Deus escolhe as coisas loucas para confundir as sábias. As escolhas de Deus não podem ser previstas nem adivinhadas: quem quiser apostar nas escolhas de Deus irá perder sempre. Deus escolhe as coisas fracas para confundir as fortes. Deus escolhe o que não é nada para destruir quem pensa que é tudo. Deus escolhe o que ninguém mais quer e transforma em alguma coisa que todos querem.

terça-feira, 4 de maio de 2010

As escolhas do Homem

A Bíblia Sagrada nos conta que num período da história do povo de Israel eles foram governados por líderes tribais chamados juízes. Eram pessoas que Deus levantava e capacitava a levar o povo à vitória contra as tribos inimigas: filisteus, amonitas, moabitas, e outros mais. Não era um rei, não era um imperador, era mais como um chefe guerreiro local. Porém, chegou um tempo em que o povo cansou de ser liderado daquela maneira.Então, eles reuniram-se com Samuel, que era o juiz naquele tempo.

Samuel era um homem de Deus. Quando criança, tinha ouvido Deus falar com ele pessoalmente. Deus o tinha usado para liderar o povo contra os filisteus, e lhes tinha dado grandes vitórias. Três vezes por ano ele viajava por todo o território de Israel, julgando as causas do povo, levando a lei e a ordem a todas as cidades.

Mesmo assim, mesmo com um líder desse nível, tanto que muitos líderes de hoje não chegam aos pés de um Samuel, o povo de Israel apresentou um pedido, ou melhor, um ultimato: “queremos um rei, como os outros povos tem um rei para governá-los; quando as pessoas perguntam pelo nosso rei, temos que dizer ah, é o nosso Deus, que está nos céus; estamos cansados de ter um rei invisível”.

Assim como o povo de Israel naquela época, muitos cristãos hoje em dia querem ser como o mundo, querem ser como os outros, querem ter as mesmas idéias, os mesmos costumes, o mesmo agir, o mesmo falar, daqueles que ainda não conheceram a Cristo Jesus.

Deus, mesmo sendo soberano e poderoso, atendeu o pedido daquele povo. Deus aceita nossas escolhas, mesmo sabendo que não são as mais acertadas. Deus respeita nosso livre-arbítrio, por isso que Ele não obriga ninguém a servi-lo.

Como estão sendo feitas as suas escolhas ? Você está tomando suas decisões firmado em quê ? Você tem orado e buscado a vontade de Deus antes de escolher sua profissão, sua moradia, seu casamento ?

Deus então mandou que o povo se reunisse, e ali foi apresentado o primeiro rei de Israel: Saul. Forte, bonito, alto que as pessoas davam no ombro dele. Quem o olhasse diria: “este é o cara, este nasceu para ser rei, este tem todo o jeito de um rei”. Assim é que nós escolhemos: firmados na aparência, olhando para o exterior. Quantos casamentos malfeitos porque se observou apenas a aparência; quantos obreiros que não foram separados para o ministério, e quantos obreiros que tinham que sair do ministério, porque se olhou apenas a casca. Quantas igrejas sem unção e sem doutrina, porque se olha apenas para o exterior.

No início, Saul foi humilde, aceitou a tarefa de liderar o povo, e Deus lhe concedeu grandes vitórias contra as tribos inimigas. Mas os anos se passaram, e Saul começa a se mostrar irritado, sensível, depressivo, com crises de loucura. O que parecia ouro não brilha mais. O que parecia ser a solução se torna um problema. E o povo agora fica numa situação difícil: queriam um rei, e foram atendidos, mas agora esse rei não serve mais. O que fazer ? A quem recorrer ?

Assim ficamos nós muitas vezes. Escolhemos olhando para o que está do lado de fora, e mais tarde nos arrependemos. O apóstolo Tiago escreveu sobre isso em sua carta: “pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para gastardes em vossos deleites e prazeres”. O Apóstolo Paulo ainda nos assegura que “não sabemos orar como convém”. Mesmo assim, muitos hoje em dia estão querendo tomar as rédeas da sua vida. Muitos cristãos querem tomar suas próprias decisões, sem dar a mínima para a vontade de Deus. Muitos só sabem orar “Senhor quero isso, Senhor quero aquilo”, mas não sabem orar “Senhor, o que TU queres para minha vida ?”.

Somente com a orientação de Deus, saberemos fazer as escolhas certas. Somente com Ele em nossas vidas é que não correremos o risco de cair naquele ditado: “cuidado com o que pede, pois pode ser atendido”.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Intimidade com Deus

Há no meio evangélico um movimento de pretensa “intimidade” que por vezes me deixa de cabelo em pé por sua irreverência, imaturidade e insensibilidade na adoração e comunhão. Comportamentos excêntricos, distorções de expressões e ensinos bíblicos que levam a práticas libertinas, músicas com conotações sexuais tratando Deus como esposo nosso e nós como sua noiva...

Mas o que há de mal nisso? Simples, por exemplo: Deus nos trata (indivíduos) como filhos, amigos e servos, jamais como cônjuge. Jesus não nos trata como suas “esposas”, “noivas”, “amantes”, e isso é de longe suficiente para entendermos a forma como Deus nos ama, pois Jesus é a perfeita expressão do Pai, e nele não encontramos ecos dessa erotização da adoração que vem sendo popularizada por certos cantores e compositores gospel.

Então, eu vejo essa “conjugização” de Deus por parte de indivíduos como ultrapassar o sinal amarelo, exibicionismo de “espiritualidade” e falta de reverência (para não falar que o objetivo de algumas dessas músicas é, simplesmente, que sejam tocadas em rádios seculares, porque por vezes você não distingue se o cantor fala de Deus ou de sua namorada). Pois Deus, na Bíblia, trata, figurativamente, como cônjuge:
a) o povo de Israel (uma coletividade);
b) Jerusalém e a Nova Jerusalém (uma cidade, uma coletividade);
c) e a igreja (uma comunidade).

Também merecem menção aqueles “íntimos” que dão ordens a Deus como se ele fosse seu cachorro: “Eu determino que você...”, “Eu decreto que...” ...E Deus é que tem que obedecer aos caprichos deles! Isso não é de modo algum intimidade, isso é irracionalidade e pecado.

E tem aqueles... que agem como se tivessem uma procuração em branco de Deus para entregar profetadas de sua própria vontade, conceder e pregar unções que não existem e negociar pedaços do céu; os que imitam animais como se Deus nos quisesse para bestas e não para seres humanos feitos à sua perfeita imagem; os birrentos e dengosos que veem Deus como o pai babaca que adora ver filhos chorões e imaturos fazendo birra nos corredores dos supermercados ao pedir algo...

Assim, o ideal é que a nossa forma de nos relacionarmos com o Senhor dos Exércitos e o Rei em nossa vida, no nosso culto diário e congregacional, tenham a reverência devida, a sabedoria e a inteligência de sabermos com quem estamos lidando e o que ele espera de nós; mas sem a perda do carinho e do amor pelo nosso Salvador, Amigo e Pai, em quem devemos nos espelhar.

Respeito para quem merece respeito não diminui nossa intimidade, é uma obrigação. E o amor a Deus e ao nosso próximo é sempre devido. Intimidades, porém, são coisas particulares, privadas, e é até bom que permaneçam assim.

(Postado por Avelar Jr. no Não, Obrigado!, e no Veshame Gospel)